sexta-feira, 4 de março de 2011

DES - CONTROLE

 "Quando a ansiedade já me dominava no íntimo, o Teu Consolo trouxe alívio à minha alma" 
Salmo 94. 19 NVI

Como esposa de pastor sempre queremos ditar as regras.
Exigimos de nós e  de todos a nossa volta que vivam de acordo
com o que pensamos ser o certo.
Se algo extrapola nosso controle ficamos atordoadas.
Talvez, você não seja assim.
Já agi assim. E por vezes me vejo controlando. E você?
Você chegou até aqui, está lendo este post. Por que será?
O des-controle nos incomoda.
Temos que ser e agir como uma pessoa
que não perde as rédeas. A bússola tem que estar
em nossas mãos. Temos que saber onde ir, o que fazer, o que falar.
Tenho aprendido a des-controlar.
Calma, não fiquei agindo como uma  louca.
O des-controle  é necessário diante do Controle Magnífico.
Ah,  o que podemos diante de tal Magnitude?
O que somos diante do Selador da Promessa que nos garante a herança?
E o que pretendemos nos achando seres especiais e controladores?
Prepotentemente cremos que é a nossa luz e sabedoria humana
que trará clareza e força diante da escuridão noturna.
Nos esforçamos e paramos.
Não dá para continuarmos.
O difícil é deixar-se ser controlado por Aquele, sim ,
o detentor de TODO CONTROLE!
Ao chegar a Ele nosso des-controle se torna primordial.
Neste momento percebemos que
somos controlados e não controladores.
Des-controlar-se é  jogar-se no Colo Aconchegante do
Controlador Único e Suficiente. É ouvi-LO sussurrar ao
coração des-controlado e que nada sabe
: "desci...a fim de livra-lo...e para
fazê-lo subir...a uma terra boa e ampla."
Não temos ideia do que nos sucederá mais adiante.
Ele está inteirado. Ele é Especial. Ele é a Bússola.
A ansiedade que quer dominar é ela própria dominada pelo
Domínio Controlador Consolador, Aquele que alivia!
Avante.  Des-controle-se em Jesus, o Controlador Absoluto.
Em Jesus Cristo, o Guia Fiel e Justo!
Ethel Martins
Êxodo 3.8; Efésios 1. 13,14

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante. Agradeço a sua visita. volte sempre. Abraços da Ethel.